No começo de 2021, mortes de trabalhadores da educação subiu 128%

Mortes do trabalhadores da educação subiram

No começo de 2021, mortes de trabalhadores da educação subiu 128%

😱 Retornar às aulas presenciais durante a pandemia de Covid-19 coloca a vida de toda a comunidade educacional (estudantes, professores e demais trabalhadores da Educação) e de seus familiares em risco.

 

🔎 Veja o comparativo dos contratos trabalhistas desligados por motivo de morte entre janeiro e abril de 2021, em relação ao mesmo período de 2020, na área da Educação⤵

 

➡ Total de contratos da Educação desligados por morte: 1.479 (➕ 128%)

 

➡ Morte de profissionais do ensino (docentes, diretores, coordenadores etc.): 612 (➕ 163%). Em 2020, foram 233.

 

➡ Morte de trabalhadores de instituições de ensino (cozinheiros, faxineiros, porteiros, zeladores etc.): 263 (➕ 45%. Em 2020, foram 141)

 

➡ Morte de professores de nível médio que atuam na educação infantil e no ensino fundamental: 71 (➕ 238%. Em 2020, foram 21)

 

➡ Morte de professores de nível superior que atuam com crianças: 166 (➕ 137%. Em 2020, foram 70)

 

➡ Morte de trabalhadores entre 30 e 39 anos: 221 (➕ 148%. Em 2020, foram 89)

 

➡ Morte de trabalhadores entre 25 e 29 anos: 46 (➕ 109%. Em 2020, foram 22)

 

⚠ Os dados são do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

 

Se o Projeto de Lei (PL) 5595/2020 for aprovado para agradar aos empresários da educação privada, esses números aumentarão ainda mais.

 

🙅 É preciso barrá-lo no Senado, porque essencial é a vida!

 

#EssencialÉaVida #DigaNÃOaoPL5595 #GenocídioNão